CONEXÕES DO MERCADO

SOBRE SUELY TEMPORAL

Suely nasceu na Bahia. Mas seu coração vive dividido entre o frevo, o maracatu, o samba e o axé. É jornalista, empresária e apaixonada por comunicação. Empresária, presta assessoria e consultoria para grandes corporações nacionais e internacionais. Tem os pés no chão e a cabeça nas nuvens. Como boa aquariana, vive à frente do seu tempo, sempre pensando no amanhã porque o hoje já tem quem cuide.

Suely Temporal

CONCEITO DA COLUNA

A coluna vai abordar questões relativas à comunicação empresarial, corporativa, interpessoal, etc. Afinal somos seres “informíveros”, consumimos informação o tempo todo. Nos informamos pelo Whatsapp, pelo Twitter, pelo Face, pelo Insta, pelo Linkedin, pelo Tic Toc, pelo Telegram, pelo Pinterest e por aí vai. A cada milésimo de segundo tudo muda. E a gente corre atrás como cachorro atrás do rabo, porque no final do dia, não saímos de nossas bolhas.

O ruído, a comunicação e a tecnologia

Tecnicamente definido como todo sinal indesejado que tende a atrapalhar a transmissão de uma informação, o ruído na comunicação sempre existiu. Desde os primórdios da comunicação quando uma informação é “mal recebida” ou “mal transmitida”, a comunicação não se realiza efetivamente. E quando isso acontece, os resultados são imprevisíveis.

No campo pessoal, o ruído na comunicação pode causar desentendimentos e brigas entre as pessoas. As famosas “tretas”. No mundo corporativo, uma falha na comunicação pode gerar erros, atrasos, retrabalho e até graves crises acarretando em prejuízos financeiros e de reputação e imagem para as empresas. Isso não é novidade. A novidade é que a entrada dos meios digitais – que inicialmente chegaram para facilitar a comunicação entre as pessoas, oferecendo um fluxo mais rápido e direto, sem muitas barreiras –apresenta-se, como qualquer outro meio, sujeito a falhas e ruídos.

Ruídos ou falhas na comunicação podem ser propositais ou não. As falhas não intencionais na comunicação acontecem naturalmente e podem ser causadas por fatores externos como por exemplo barulho no ambiente, momento inadequado ou linguagem imprópria. Já os ruídos ou falhas intencionais são criados ou provocados para causar desentendimento com objetivos específicos. Assim como potencializou a comunicação, as tecnologias digitais, notadamente a internet e as redes sociais, potencializaram também os ruídos e as falhas de comunicação. O WhatsApp por exemplo é um cenário propício para geração de “tretas” que, facilmente terminam em problemas muitas vezes difíceis de contornar.

Isso de potencializou durante a pandemia do novo Coronavírus Numa rápida pesquisa realizada nas redes sociais é possível perceber que a maioria das pessoas acha que se comunica bem. Mas o que elas não sabem é que quase sempre somos mal compreendidos ou mal interpretados. Isso acontece porque quando nos comunicamos, especialmente através de plataformas remotas, nossos interlocutores muitas vezes não conseguem compreender a entonação das nossas vozes e a intenção das nossas palavras.

A mensagem recebida é decodificada com o sentimento de quem a recebe e não com a intenção de quem a enviou. Por isso, seja no trabalho ou na vida pessoal, quisermos ter uma comunicação plena e eficaz precisamos ter em mente que somos responsáveis não apenas pelo que falamos, mas principalmente pelo que o outro entende. Porque se eu não me fizer entender pelo outro, a mensagem não chegou ao seu destino.

Suely Temporal

Diretora

ATcom – Estratégia, Relacionamento e Conteúdo

71 3271.7171 / 9 9918.9633

http://www.agenciaat.com